25.jan.2015

“No Facebook você vê as pingas que eu tomo, mas não vê os tombos que eu levo.”

Na mesma semana em que um amigo me escreveu a frase acima, o pessoal do 360 Meridianos fez um baita post falando sobre o mesmo assunto, mas enfocando a vida de viajante.

Na Geórgia, não esqueça: vulcanizadora é "vulkanizacia".

Na Geórgia, não esqueça: borracharia é “vulkanizacia”.

Nas certíssimas palavras da Natália Becattini, a autora do post, “o que as fotos daquele seu amigo que está há seis meses na estrada não mostram são os momentos nada glamorosos que ele enfrentou entre um clique e outro. (…) Raramente postamos fotos da nossa cara ao final de uma viagem de ônibus de 17 horas ou de quando sua mala é extraviada e você fica três dias usando a mesma roupa.”

Inspirado na frase que abre este post e nas palavras da Natália, selecionei algumas fotos minhas para contar o que aconteceu nos bastidores delas e que eu acabei não postando em Instagrams, Facebooks e Twitters por aí.

Ou seja: os tombos que eu levei por causa daquelas pingas.

(mais…)

leia mais

18.jan.2015

Guarde bem este nome quando for ao Irã: Xá Abbas I.

Ninguém discute que Ciro foi o maior de todos os governantes persas e também o mais conhecido – pelo menos até Hollywood apresentar o nome e os músculos de Xerxes ao mundo, no filme 300. Mas Abbas I não fica muito atrás no ranking de líderes locais. Aliás, pelo que li, arrisco a dizer que ele fica bem próximo do topo, até.

Abbas I (Foto: Baronnet - CC BY-SA 3.0)

Abbas I (Foto: Baronnet – CC BY-SA 3.0)

Este descendente da dinastia safávida começou sua carreira de chefão aos míseros 4 anos de idade, quando foi nomeado governador de um estado, logo depois que seu pai foi obrigado a mudar de cidade por problemas de saúde. Como a tradição mandava que sempre tivesse algum parente do xá vivendo no lugar, baby Abbas I recebeu as honras e foi deixado para trás, aos cuidados de pessoas fiéis ao governo. (mais…)

leia mais

6.jan.2015

A vida é uma só, a grana é curta e a lista de desejos é longa, então é bem difícil que eu viaje duas vezes para algum lugar muito distante. Prova disso é que esta categoria de destinos tinha apenas dois países com mais de um carimbo nos meus passaportes, até setembro de 2014.

No mês seguinte pintou o terceiro: a Jordânia.

Gabriel Prehn Britto (CC BY-NC-SA 2.0)

Minha primeira vez em solo jordaniano foi em março de 2013, quando visitei o país a convite da Jordan Tourism Board, a agência de turismo oficial de lá – leia relatos aqui, aqui, aqui e aqui.

Foi tão bom e surpreendente que meus pais, depois de escutarem as histórias que contei, decidiram que também queriam ir para a Jordânia.

E decidiram que essa viagem seria em 2014.

E que eu teria que ir junto. (mais…)

leia mais

29.dez.2014

Cada ano do nosso calendário gregoriano (esse é o nome dele, para quem não sabe) é feito de uma quantidade enorme de viradas de ano em outros calendários de vários povos e culturas ao redor do mundo.

yasa_ (CC BY-NC-ND 2.0)

yasa_ (CC BY-NC-ND 2.0)

Em 2015, por exemplo, os tibetanos vão abrir seus espumantes logo ali em fevereiro, enquanto os iranianos vão comemorar o ano-novo persa em março e os judeus vão gritar “Shana Tovah!” em setembro – mesmo mês em que os etíopes vão fazer promessas para 2008, o novo ciclo do calendário local.

Os exemplos aqui em cima – e mais alguns – estão neste post que fiz para o blog da Youcom, onde eu escrevia até novembro. Porém, como esses “réveillons” diferentes são muitos e absurdamente interessantes, resolvi fazer outra lista neste post, especialmente nesta data, para que você tenha vontade de viver muitas viradas nos próximos 365 dias. (mais…)

leia mais

23.dez.2014

Lá no início de 2014 eu apresentei para você a ilha de Annobón, em Guiné Equatorial, um lugar descoberto num 1º de janeiro e que, por isso, ganhou esse nome.

Agora, no Natal de 2014, fui atrás de mais informações sobre um lugar cujo nome eu já havia lido por aí, mas que nunca havia me despertado muito interesse: Ilha Christmas.

Adrian (CC BY-NC-ND 2.0)

Adrian (CC BY-NC-ND 2.0)

Minha pesquisa acabou me apresentando 4 ilhas batizadas da mesma forma ao redor do mundo (uma no Canadá, outra em Kiribati e duas na Austrália – sendo uma delas na Tasmânia) e eu amaria muito pesquisar todas e fazer um post geral. Porém, como toco este blog sozinho, batendo escanteio e cabeceando na área, precisei sacrificar três delas e escolhi destrinchar apenas uma das ilhas Christmas autralianas, essa aqui embaixo, no Oceano Índico, que na verdade fica mais perto da Indonésia do que da Austrália. (mais…)

leia mais

14.dez.2014

Eu vivo repetindo que o Irã é lindo e maravilhoso para o turismo e repito quantas vezes for preciso, porque foi assim comigo e também com todos os amigos e conhecidos que já visitaram o país. Mas eu sei que ele ainda não é um destino fácil para todas as pessoas.

Mesquita Sheikh Lotfollah, em Esfahan (Gabriel Prehn Britto - CC BY-NC-SA 2.0)

Mesquita Sheikh Lotfollah, em Esfahan (Gabriel Prehn Britto – CC BY-NC-SA 2.0)

Sob o ponto de vista do planejamento da viagem, por exemplo, o Irã pode ser bem burocrático e complicado, principalmente na hora de encontrar informações pela internet.

Sob o ponto de vista psicológico, não é facinho esquecer 35 anos de notícias ruins nos jornais, por mais que você passe um tempão lendo apenas os meus posts in love com os iranianos.

Eu sei. Eu entendo. Eu vivi isso e sei que essas coisas só mudam quando você está lá, interagindo com o povo e recebendo sorrisos, mimos e tudo mais que eu já descrevi aqui.

Outra coisa que eu sei é que muita gente acaba desistindo de conhecer o Irã por causa destas incomodações. E é por este motivo que eu escrevo este post com felicidade dupla. (mais…)

leia mais

7.dez.2014

Conforme o prometido, inverti a ordem das coisas e coloquei o post prático da viagem pela Geórgia logo no início da série. Assim você pode se programar desde já, com dicas fresquinhas como a brisa de Svaneti.

Svaneti Ushguli torre montanha_1

Caso você tenha qualquer outra dúvida, pode escrever nos comentários. Se ela for pertinente e eu tiver a resposta, incluirei no post.

Vamos lá começar pelo básico: 1 – onde raios fica a Geórgia? (mais…)

leia mais

1.dez.2014

É difícil olhar para o mapa-múndi abaixo e não ficar impressionado com o tamanho da Rússia, certo?

Mapa Mundi Mercator

WonderWhy (CC BY 2.0)

Calculando rapidamente, o maior país do planeta conseguiria abrigar a África inteira e sobraria bastante espaço para uma Groenlândia, por exemplo. Aliás, a própria Groenlândia tem quase o tamanho do continente africano. Putin tem razão em se sentir o dono do mundo.

O problema é que o mapa que estamos mais acostumados a ver está completamente errado nas proporções dos países. Na vida real, a Rússia tem quase a metade do tamanho da África e a Groenlândia é 14 vezes menor do ela.

(mais…)

leia mais

17.nov.2014

A lenda diz que os georgianos estavam celebrando a vida com música, comida e vinho (bebida inventada por eles) enquanto deus fazia a divisão do mundo entre os povos. A festa estava tão boa que eles perderam a hora e já não tinha mais nada liberado quando chegaram no escritório do divino para pedir o seu pedaço de terra.

Conformados com a situação, os georgianos voltaram para a gandaia e convidaram deus para ir junto. O criador topou (afinal já tinha encerrado o trabalho) e acabou vivendo momentos tão felizes com aquele pessoal que decidiu: a área que ele havia reservado para ele mesmo no planeta seria dada aos georgianos.

Gabriel Prehn Britto – CC BY-NC-SA 2.0

A Geórgia é virada em montanhas. Oitenta e cinco por cento dela é feita pelo Cáucaso, uma cordilheira que tem no mínimo 20 picos acima dos 4 mil metros de altura, com nada menos que 13 deles fazendo parte do país.

Com tanta montanha alta e sabendo que gigantes de pedra garantem cenários lindíssimos em qualquer lugar do mundo, ninguém precisa ir até lá para compreender a origem da lenda acima.

Mas ver a paisagem georgiana com os próprios olhos durante 14 dias e 1700 km de estrada faz você compreender a origem, concordar e ainda ajudar a espalhar essa história. (mais…)

leia mais

7.out.2014

Faz tempo que eu não escrevo nada da série Quem Batiza os Países?, onde coloco as origens dos nomes dos cantos do mundo que me parecem interessantes.

Para este retorno - que coincide com o aviso de que este blog sai de férias hoje e deve retornar apenas no meio de novembro (veja lá embaixo) - nada mais lógico do que abordar justamente o nome de um dos próximos países de destino, a Geórgia, correto?

Georgia

Então vamos lá. (mais…)

leia mais