Ghalam
22.jul.2013

O Por Que Pra Lá? já passou por duas das ilhas mais estranhas e incríveis do mundo (as Faroe e a Groenlândia). Mas, sabe-se lá por que, acabou ignorando a ilha que fica bem no meio dessas duas e que não deve nadinha para nenhuma delas: a björkíssima Islândia.

Sverrir Thorolfsson (CC BY-NC-ND 2.0)

Para corrigir essa falha gigantesca, preparei um post completão. E olha que “completão”, em se tratando de Islândia, é um post extremamente grande.

Mas vamos lá. (mais…)

leia mais

8.jul.2013

Uma das coisas que eu mais gosto em tudo que envolve uma viagem é a oportunidade de poder dedicar muito da minha atenção ao estudo da história de regiões, países e povos – algo que não consigo fazer normalmente sem a desculpa de que estou indo até eles.

O problema é que histórias de regiões, países e povos quase nunca são bonitas e, às vezes, eu acabo dando de cara com absurdos como as “mulheres de conforto” coreanas, que descobri estudando sobre a Coreia do Norte.

theogeo (CC BY 2.0)

(mais…)

leia mais

1.jul.2013

Finalmente, depois de um longo inverno de não-atualizações, a série Planetóvski Rússia sai da tumba e volta à ativa para sua penúltima parada antes do final. Um retorno bastante tenso, em um dos lugares mais casca-grossa do mundo: a República da Chechênia.

Esse lugar, vizinho das não menos mal faladas repúblicas do Daguestão, da Inguchétia e da Ossétia do Norte-Alânia, além da Geórgia e da própria Rússia, é provavelmente o mais conhecido do Norte do Cáucaso. E não é por motivos muito bons. (mais…)

leia mais

17.jun.2013

Aposto minhas milhas que você nunca leu nada sobre Jean Louis Burckhardt, muito menos sobre Sheikh Ibrahim ibn Abdallah. Mas também aposto que você sonha em conhecer, ao vivo, a maior “descoberta” das vidas deles.

Gabriel Prehn Britto (CC BY-NC-ND 3.0)

Esta descoberta é Petra, uma das cidades mais místicas do mundo, a atração mais famosa da Jordânia, que foi apresentada aos ocidentais por estes dois homens.

E estes dois homens, na verdade, são apenas um.

Para entender essa novela, vamos voltar um pouco na história. (mais…)

leia mais

3.jun.2013

Culturas genuínas, povos praticamente sem contato com estrangeiros, paisagens que ninguém ou pouca gente viu.

Uma penca de viajantes vive atrás dessas coisas e a quantidade considerável de vezes que os guias de viagem usam a expressão “off the beaten track” (algo como “fora do roteiro comum”) é uma bela prova disso.

Storm Crypt (CC BY-NC-ND 2.0)

O norueguês Gunnar Garfors é um desses viajantes e resolveu pesquisar quais são os melhores lugares para quem busca essas experiências. Acabou fazendo a preciosíssima lista abaixo, com os 25 países menos visitados do mundo, publicada aqui em versão brasileira, com a gentilíssima autorização dele e com comentários do próprio – sim, Gunnar passou por todos. (mais…)

leia mais

20.mai.2013

Talvez tenha sido por lendas, talvez por acontecimentos reais, não sei. Os motivos variam, mas o certo é que, ao longo da história da humanidade, alguns lugares do planeta viraram ícones de fim de mundo, inóspitos, distantes, inatingíveis para meros mortais.

Gabriel Prehn Britto (CC BY-NC-SA 2.0)

É o caso de cidades como Timbuctu, Marrakesh e Bagdá, por exemplo. E também é o caso de uma região inteira para onde muitas pessoas mandam seus desafetos (pelo menos com palavras) sem nem saber que existiu de verdade: a Cochinchina. (mais…)

leia mais

6.mai.2013

Fale Jordânia e todo mundo vai pensar em Petra. Peça para as pessoas fazerem uma forcinha e elas vão pensar em areia e deserto. É justo. A Jordânia é menor do que o estado de Santa Catarina e tem 85% da área coberta por eles, os desertos.

No meio desse areião não dá para esperar encontrar uma Amazônia, é óbvio. Mas existem algumas poucas paisagens com verde, árvores, bichos e tal.

E pelo menos uma delas é linda demais da conta.

Gabriel Prehn Britto (CC BY-NC-SA 2.0)

É a Reserva da Biosfera Dana, nada menos que o maior programa de preservação natural com desenvolvimento social do Oriente Médio. (mais…)

leia mais

29.abr.2013

“A culinária é o resultado da luta entre um povo e a sua terra”.

Quem me disse isso foi Nasrin Haddad Battaglia, iraniana de Teerã, chef do antigo restaurante Amigo do Rei e especialista em cozinha persa.

Pintura no palácio Chehel Sotoun, em Esfahan, Irã

Considerando que o Irã tem sei lá quantos climas e sabe-se lá quantos solos diferentes, dá para imaginar que a luta que gerou a culinária persa foi muito feia. Mas, pelo pouco que eu pude provar nos pratos da Nasrin, foi vencida pelo povo com um nocaute incontestável. (mais…)

leia mais

22.abr.2013

Se você estiver pensando em ir para Luang Prabang, no Laos, considere fortemente fazer isso na primeira metade de abril.

All rights reserved by theoorm

Sim, o Laos é quente como o 5º subsolo do inferno nessa época. Mas é justamente por causa do calor que você vai experimentar um momento muito divertido no país e, principalmente, na cidade: as comemorações do Bun Pu Mai Lao – o ano-novo laosiano.

(mais…)

leia mais

15.abr.2013

Para ver o Tesouro – aquela fachada esculpida que é maior atração de Petra – você precisa percorrer uma longa trilha por entre um desfiladeiro, dentro de um parque arqueológico.

Durante a caminhada, as paredes do desfiladeiro ficam tão altas e tão próximas que impedem que você veja algo além de céu e pedra vermelha ao seu redor. Em alguns pontos, o ambiente chega até a ficar escuro.

Então, uns 30 minutos depois, você chega no Tesouro. Seu coração sai pela boca, seu queixo cai, você chora, se arrepia e passa horas olhando para aquela maravilha.

Mas o Tesouro também está no meio do desfiladeiro e você ainda não sabe o que mais existe por ali. Você segue adiante e, à medida em que caminha, percebe que Petra é uma área gigantesca, cheia (repleta, atrolhada!) de esculturas, fachadas, grutas e construções lindíssimas.

Petra é exatamente como a Jordânia. Ambos são um lugar que a maioria das pessoas conhece apenas pelo Tesouro, mas quando você começa a seguir a curiosidade e a passear por eles, descobre que existe mais.

Muito, muito mais. (mais…)

leia mais