17.fev.2014

Ela é o patinho feio de qualquer aventura pelo Irã. Roteiros de agências de turismo costumam dar apenas um par de dias para essa pobre coitada – se tanto. Desconfio que a maioria dos turistas que passam por ela o fazem apenas porque não descobriram que dá para voar direto do exterior para outras cidades iranianas. Enquanto eu pesquisava para a minha viagem, recebi dicas como “não perca seu tempo por lá, não vale a pena”.

Pobre Teerã.

Torre Azadi, símbolo de Teerã

A capital dos iranianos é realmente feia, caótica, barulhenta e poluída, tanto que vive marcando presença em rankings de “piores cidades do mundo para se viver”. Nisso, acho que não há discussão.

Mas também é fato que eu gostei muito da dita cuja. Gostei tanto que fiquei 4 dias inteiros nela e ainda tentei passar mais um, antes de embarcar de volta (mas não consegui, infelizmente). (mais…)

leia mais

11.fev.2014

Nem vou falar muito, porque não há muito para ser dito. Apenas veja estas lindas imagens da série An Iranian Journey, do multipremiado fotógrafo iraniano Hossein Fatemi.

A série completa mostra cenas complexas (e muitas também fortes) da realidade de um país impossível de ser compreendido por nós, porém muito, muito, muito longe de ser hostil aos ocidentais.

Aqui no blog, fique apenas com algumas que chocam pelo lado positivo e que mostram o Irã das pessoas que não têm nada a ver com aquelas que a maioria do mundo vê nas manchetes dos jornais.

Senhoras e senhores, com vocês, os iranianos. (mais…)

leia mais

3.fev.2014

Uma viagem a um lugar exótico é um poço sem fundo de momentos críticos. São tantos que o meu mantra é: em alguma hora, algo vai dar errado. Não tem como escapar disso.

Entre esse mundaréu de momentos delicados, existe um que tem a maior e mais clara chance de virar pesadelo. E como ele é importantíssimo, também tem potencial para estragar a imagem do destino, talvez até arruinar toda a viagem.

theloushe (CC BY-NC-ND 2.0)

Esse momento é a Chegada No País Diferentão. (mais…)

leia mais

27.jan.2014

Antes de começar, já peço perdão. É que no meio da correria da vida, esqueci de publicar aqui uma das mais incríveis pérolas da minha viagem pela Coreia do Norte: o vídeo de quase duas horas de duração que a Ryohaengsa, a agência estatal de turismo do país, faz para cada grupo de turistas e vende no final das suas jornadas.

São 107 minutos de efeitos especiais estilo vídeo de karaokê, musiquinhas estilo churrascaria, cenas de gosto extremamente duvidoso e muitas imagens de tudo que eu vi por lá, desde os monumentos grandiosos até o criadouro de tartarugas.

É uma maravilha, perfeito para entender o que é uma visita à Coreia do Norte e também para ver o país de uma forma raramente mostrada na mídia. (mais…)

leia mais

13.jan.2014

Dizem que o Irã é dificílimo de ser compreendido por alguém que não seja um iraniano ou que não viva lá por muito tempo. E eu acredito muito nisso.

Gabriel Prehn Britto (CC BY-NC-SA 2.0)

O correspondente da Folha de São Paulo em Teerã, Samy Adghirni, por exemplo, até já recomendou que seus leitores “desconfiem de quem diz que entende de Irã” e afirmou que ele mesmo “continua engatinhando” na compreensão do país – apesar de trabalhar com isso e já viver na capital iraniana desde 2011.

Ainda que a tarefa de entender os iranianos seja quase impossível, saber um pouco da história do país e do pensamento geral da população ajuda na compreensão mínima de algumas coisas. Principalmente, ajuda a apagar preconceitos.

Foi por tudo isso que resolvi fazer um post sobre estes assuntos antes de seguir adiante nos relatos da minha viagem por lá. Mas veja bem: é um resumo do resumo do resumo do resumo de tudo. É apenas um sopro de história. Mas vai ajudar a clarear algumas coisas para você. Acho.

Pegue um café, preste atenção e me avise se houver alguma bobagem, por favor. Não é difícil se perder em milênios persas. (mais…)

leia mais

31.dez.2013

Existe um lugar que eu guardei para apresentar a você justamente nesta época do ano.

Pablo Manriquez (CC BY-ND 2.0)

Esse lugar fica na África e é a ilha mais isolada do seu país, a Guiné Equatorial. Na verdade ele fica mais perto da ilhas de São Tomé e Príncipe e também do Gabão do que da parte continental da sua própria nação. (mais…)

leia mais

23.dez.2013

Vou confessar: eu morria de medo de visitar o Irã e fiquei tenso desde o momento em que percebi que a minha viagem estava finalmente saindo do plano dos sonhos para virar realidade.

Mas a minha tensão não tinha nenhuma relação com o medo que a maioria das pessoas tem quando pensa na terra dos aiatolás.

Ele não acreditou quando eu disse que a cena que eu via era linda

Depois de namorar o país por quase uma década, de ler tudo que eu consegui sobre ele e de conversar com uma pá de viajantes, eu não tinha o menor receio de ser sequestrado por um grupo fundamentalista, não tinha pesadelos com atentados, não tinha medo de ver minha mulher ser hostilizada nas ruas e não tinha o menor temor dos muçulmanos xiitas.

Meu medo era outro. Era de que o Irã não correspondesse às minhas expectativas. (mais…)

leia mais

25.nov.2013

Meu roteiro pelo Irã teve lugares bem diferentes uns dos outros. Entre estes lugares estava um vale lindo, cercado de montanhas que chegam aos 2 mil metros de altura e que são escondidas de quase todos os poucos turistas que visitam o país.

Esse vale se chama Howraman (ou Oraman, Ouramanat, Hewraman e Hawraman, dependendo da fonte) e fica no Curdistão iraniano, bem na fronteira com o Iraque. (mais…)

leia mais

28.out.2013

[PUBLIEDITORIAL]

Gabriel promete novidade, Gabriel cumpre. Mas a novidade não é exatamente aqui, não. É no site do Guia Canon, um projeto muito legal, do qual estou participando.

A história toda está bem explicada lá, mas é mais ou menos assim: a Canon selecionou 6 viajantes para cobrirem 6 destinos do Brasil e montarem um guia com experiências, dicas e, é óbvio, muitas fotos. (mais…)

leia mais

14.out.2013

Caramba, nem acredito que este é o post final da série Planetóvski Rússia. E ele ainda termina a novela com uma bela coincidência de números: foi uma viagem virtual por 21 repúblicas do país, ao longo de 2 anos 2 meses e 21 dias.

Para relembrar, essa viagem começou por um motivo triste, um acidente terrível que colocou nos noticiários mundias uma república de nome estranho, o Tartaristão. (mais…)

leia mais